Os Batistas e os Temas Éticos

 

1 – Da criança – o menor abandonado:

1.1 – Toda concepção humana tem direito ao nascimento e toda criança nascida tem direito à vida, ao alimento e à dignidade;

1.2 – Temos como um dos maiores males sociais de nossa época a existência de criança abandonadas e marginalizadas em nossa sociedade e afirmamos como a forma mais eficaz de expressão do amor cristão e da ação social para com o menor desamparado a ADOÇÂO por famílias em que as crianças (ou adolescentes) sejam criadas, amadas, educadas para a vida e sintam-se membros da família, e essa seja vista e estimulada como veículo divino pra a preservação da vida e geração da felicidade mútua de adotado e adotante;

1.3 – Embora a prioridade deva ser dada à adoção reconhecemos por válidos esforços de amparo ao menor, por via de lares comunitários (orfanatos), creches e outros semelhantes;

1.4 – A assistência à criança e adolescente carentes é apenas parte da ação social. Ela se completa na assistência à família do carente;

2 – Do respeito à vida

2.1 – (Vida) – Reconhecemos a vida como dom de Deus e bem indisponível a que todos têm direito e pelo qual devemos lutar;

2.2 – (Pena de Morte) – Embora reconhecendo que há crimes cuja punição satisfatória exigiriam a pena máxima, posicionamo-nos, por princípio, contrários à pena de morte tendo em vista a falibilidade humana, eventualmente no julgar e a irreparabilidade da pena;

2.3 – (Eutanásia) – Condenamos a eutanásia. O sofrimento é quinhão da vida e tudo que se puder fazer para aliviá-lo é um serviço à vida. Mas a eutanásia foge a essa visão, não sendo direito de ninguém – nem do próprio paciente – dispor da vida. Só Deus tem esse direito;

2.4 – (Mecanismos de prolongamento da vida) – É admissível e recomendável todo o esforço de prolongamento da vida pelos recursos da ciência;

2.5 – (Transfusões e Transplantes) – São legítimas e serão estimuladas as doações de sangue e transfusões a doação de órgãos e transplantes, como bom serviço à vida;

2.6 – (Aborto) – O aborto é uma forma de assassínio e será condenado como

pecado e como crime, tolerada apenas a forma terapêutica;

2.7 – (Experiências Genéticas) – Aprovamos os esforços científicos em favor

do homem, mas condenamos as experiências seletivas que visem a produção de

super-seres-humanos. Reconhecemos todo o homem revestido de dignidade e,

portanto, todos os indivíduos precisam gozar o mesmo apreço no meio social. A

pessoa humana não pode ser objeto de experiências laboratoriais capazes de alterar

suas reações normais de pessoa moral;

2.8 – (Controle de Natalidade) – O casal tem direito de decidir quantos filhos quer ter e o direito de ser orientado pra o planejamento familiar. É parte da ação social desenvolver programas de ajuda às comunidades em orientação e meios de controle de natalidade.

3 – Da Ecologia:

É dever e responsabilidade cristã, biblicamente assim reconhecido, a defesa do ecosistema, por atitude e ação, dentro da visão de que cabe ao homem “lavrar e guardar a terra”, responsável que é pelo meio ambiente, cabendo-nos corrigir as distorções de seitas heréticas a este respeito. O homem não é a natureza (panteísmo) mas não é sem ela também, não;

4 – Do capital e do trabalho:

4.1- Todo trabalho é digno, desde que lícito e contribua para o bem da espécie humana e da criação;

4.2- O trabalhador deve receber o suficiente à subsistência e manutenção sua e de sua família, e tem o dever de trabalhar bem, dentro das expectativas do bom senso e de sua capacidade;

4.3- Os investimentos econômicos e tecnológicos devem estar voltados para o homem brasileiro prioritariamente, antes que, pela competição vaidosa entre as potências mundiais. As necessidades básicas deverão receber prioridade, como alimentação, saúde e educação;

5 – Da pessoa idosa, do incapaz e do deficiente:

5.1 – A pessoa NÃO É MENOS DIGNA POR SER IDOSA, INCAPAZ OU DEFICIENTE;

5.2 – É preceito divinamente estabelecido o respeito às cãs do idoso;

5.3 – Toda pessoa idosa, todo o incapaz e todo o deficiente tem direito ao sustento, atenção, carinho, saúde e assistência primeiramente da família, da igreja e do Estado;

5.4 – O respeito e estima ao idoso será ensinado e observado, o idoso será cuidado, prioritariamente em família, onde tenha o companheirismo;

5.5 – Será estimulada a criação de casas lares para pessoas idosas que não possam contar com abrigo familiar;

5.6 – As igrejas terão como ministério social a ajuda no sustento da pessoa idosa, do incapaz e do deficiente;

5.7 – O pastor, bem como viúva de pastor, que tenha dedicado sua vida ao ministério, na denominação, não ficará no desamparo;

6 – Ação política das Igrejas e da Denominação:

6.1 – As igrejas enquanto instituições locais, evitarão incorporações partidárias;

6.2 – As igrejas, entretanto, serão estimuladoras da cidadania, da ação e engajamento político de seus membros, inclusive para a participação partidária e eletiva;

6.3 – O crente tem o dever de participar da ação política e aí primar pela conduta ética sem reparos, de caráter ilibado em todos os procedimentos;

6.4 – As igrejas envolver-se-ão na ação política, contribuindo com seus recursos humanos, patrimônio e recursos e financeiros para as mudanças sociais significativas, em benefício da comunidade ao seu alcance, em serviços sociais;

6.5 – O Conselho, através de seu Departamento de Ação Social, representará a denominação perante a Sociedade e aos poderes constituídos, respeitante às questões sociais e políticas sociais dentro do espírito profético e prático.

7 – (Homossexualismo) – A diferença dos sexos (masculino e feminino) é divinamente estabelecida e é plenamente suficiente para a conjunção carnal satisfatória, atendendo à natureza, como Deus a criou. O homossexualismo, opostamente, é contrário à natureza e mencionado nas Escrituras como desvio deste propósito original divino; tem causas variadas, não excluída a do obscurecimento espiritual, devendo sua prática ser repudiada e a pessoa envolvida ser considerada sem preconceito, tanto quanto são tratadas pessoas envolvidas noutras formas de pecado, com empenho por sua recuperação, numa legítima expressão de amor.

8 – (Violência) – A violência se manifesta em todas as formas de agressão atentatórias contra a segurança e a honradez do cidadão e da sociedade organizada. É direito do cidadão e dos segmentos sociais organizados para o bem comum contar com a proteção e garantias do Estado contra todas as formas de violência, quer preventivamente, quer por ações repressivas, quer pela aplicação de sanções. Estas devem ser aplicadas com equidade e seus objetivos, além de punitivos, devem ter o alcance da exemplaridade e o restauratório.

9 – (Esportes) – Os esportes são formas apropriadas de desenvolvimento pessoal na medida em que vislumbrados como recreação (atividade lúdica) e, assim, devem ser estimulados e encorajados. Embora impossível a nulificação da competitividade, o seu acirramento pode conduzir a fins impróprios violentos, prejudiciais ao espírito desportivo, por isso deve ser reduzida, bem como a ambição pecuniária. As premiações, preferentemente, devem ser simbólicas. Todavia, entendemos ser  legítima a atuação do crente profissionalizante nos esportes.

10 – (Do Exercício de Profissões Artísticas) – É tão legítimo ao crente o exercício de uma profissão artística, quanto o de qualquer profissão, liberal ou não, cabendo a cada um, em todos os casos, exercer a vigilância contra qualquer forma de desvirtuamento do compromisso com Cristo e com a ética cristã – e muito mais cuidado neste caso particular – mas que lê pode e deve exercê-la com a visão do testemunho conveniente, como sal da terra e luz do mundo.

11 – (Da Família e Casamento) – A Família é uma instituição divina e não produto de um processo evolutivo de natureza antropológica e social. O matrimonio é uma relação monogâmica, estável e é nele que se realiza a vida sexual como um dom de Deus para a expressão afetiva, mútua, do homem e da mulher e multiplicação da vida. Os filhos são bênção de Deus e, por isso, a paternidade/maternidade deve ser exercida de forma digna e responsável. O relacionamento intra-familiar instrumentaliza o bem-estar individual e social e o desenvolvimento normal do ser humano em todas as esferas d vida. (Declaração de Aracaju). Por isso, apesar das diferenças ritualísticas e legais, peculiares às diferentes culturas e povos, deve ser honrado o matrimônio, conforme preceito bíblico.

12 – (Conduta Cristã) – O salvo tem nova natureza apropriada a um “porte digno do evangelho” para viver em santidade, pureza, justiça e retidão e “é criado em Cristo Jesus” para as boas obras, e para uma conduta condizente com o caráter de Jesus. Assim como é salvo pela graça é, também sustentado em seu viver de santidade pela mesma graça.

13 – (Da Relação Entre Ciência e Fé) – O desenvolvimento científico nunca abalou e nunca abalará a verdadeira fé bíblica, por isso que o Deus Criador da natureza física, (revelação visível), objeto da investigação científica, é o mesmo Deus da Revelação Espiritual, (revelação não visível). Os conflitos, constantemente observados, resultam, sempre, da limitação do conhecimento humano, quer científico, quer teológico. A exploração cientifica tem que se ater ao seu campo específico e deve respeitar os valores morais da revelação bíblica, destinados à valorização do ser humano que não pode ser exposto, sem limite, à experimentação.

14 – (Das Doenças Sexualmente Transmissíveis) – As doenças sexualmente transmissíveis devem ser objeto de preocupação, e que se devem apoiar todos os esforços para conter seus surtos. Parte da contaminação se deve à depravação humana e parte à deseducação do povo, por isso o combate delas, para um povo sadio, deve investir ação evangelizante, educacional e saúde preventiva, alem de pesquisas e tratamentos curativos, mesmo reconhecendo que suas conseqüências carregam aspectos da punição do mal.

Print Friendly